~~~~~ Filosofias Salgadas (Morto) | Oceano Pensante (Renatito) ~~~~~


sábado, fevereiro 28, 2009
A vida nas cavernas...

Quando a maioria das coisas que me passam pela cabeça referem-se a mim mesmo, é sinal de que preciso de um tempo de reclusão para pensar mais nas coisas que realmente podem fazer diferença na minha vida e na maneira como eu lido com tudo. E em primeiro momento, essa observação pode parecer meio estranha, já que o ideal seria eu me socializar mais para ter o que falar sobre os outros, mas aí é que a minha interpretação ganha corpo: a criatividade que me era natural e que permitia que eu visse tudo de uma maneira clara - pelo menos pra mim, tudo era muito claro - sumiu aos poucos e há tempos não dá mostras de que aparecerá assim, de uma hora para a outra.

Por vezes, a reclusão, aquela em que se mergulha de cabeça em boas leituras, se vê bons filmes - e, sinal dos tempos, seriados enlatados americanos -, se escuta cds que há muito estavam juntando pó na estante, esse comportamento, às vezes, isso nos faz recobrar a consciência dos outros, apesar de ser um exercício de caráter subjetivo. Pra mim, quando me decepciono com algumas coisas, quando noto que comecei a me preocupar muito com o meu umbigo e com ele sendo o centro do universo, quando já não existe razão alguma para qualquer atividade, esses momentos no papel de anacoreta prestam um favor ao potencial que algumas pessoas dizem que eu tenho - normalmente eu discordo disso, mas faz parte do amadurecimento saber reconhecer o que se tem de positivo (e ainda acho isso difícil, prova de que de fato ainda sou muito imaturo).

Sinceramente, acho que meus esforços para manter o foco nas promessas que eu havia feito, nos objetivos a ser atingidos durante o ano e toda essa babaquice, com o passar do tempo tornar-se-ão um motivo de frustração, antes de explicação para uma vida feliz. Isso porque apesar de concordar com a necessidade de se adaptar a realidade em que vivemos, eu não consigo aceitar que este ideal de vida que me é apresentado - e esfregado na cara como o algorítimo que resultará na plenitude do indivíduo - seja o que eu preciso. Mas e eu tentei? Alguma vez eu realmente me engajei na batalha da minha própria existência?

Enfim, o que me irrita, no fundo, é que o estopim dessa minha última crise, pra variar, é o fator humano mais corriqueiro e óbvio que sempre existiu e que possivelmente perdurará enquanto nós estivermos aqui, sugando e destruindo este planetinha: um coração partido, dor de cotovelo, ou seja lá qual outra alcunha pode ser determinada para a miséria do grande idiota, que nesse caso, sou eu!

A vida não é perfeita e ninguém é totalmente feliz, mas não há escolha: é a única existência que temos e há que se lidar com isso.




domingo, fevereiro 22, 2009

Se ao invés dos pregos Garcia tivessem usado "fita tape", será que o homem teria fugido? Convenhamos, a silver tape é a invenção mais fantástica dos ultimos cem, talvez duzentos, anos!! Porque, tá, tem os carros por aí, tem o computador, tem a penicilina, mas sem a fita tape... Nada disso seria utilizável por muito tempo... Ah, tem a garrafa térmica também, mas ela também, se cai no chão, quebra. E a fita tape talvez consiga consertar...

O carro, se a lataria estiver ruim, fita tape. Computador pifou? Fita tape!! Seringa rachou, fita tape!! Pra mim foi só um tênis rasgado, mas graças a fita tape eu fiz dois gols - um contra, mas com o meu futebol já é algo formidável, assim mesmo... A fita tape não é melhor que cerveja, mas é mais cara. E se pá, sei lá... A cerveja eu tomei depois do jogo. A fita tape foi aplicada antes. Depois do jogo, e após a ressaca, o tênis continuo totalmente utilizável. Eu, bêbado, não. Só que eu vou culpar a cerveja? Não! A cerveja fez o papel dela, que é o de embriagar. Blé...




segunda-feira, fevereiro 09, 2009
Era uma vez, no mundo do Faz de Conta...

Faz de conta que se vive em um país em que haja estados e cidades, e que isso tudo seja coordenado por poderes individuais mas harmônicos entre si e que a eleição dos representantes desses poderes é através de um outro faz de conta, o sufrágio universal. Daí, faz de conta que, ciente disso, o cidadão sabe dos seus direitos e deveres e tenta levar uma vida mais ou menos dentro da conjuntura social em que está inserido, dessa forma sendo exemplar.

Faz de conta que o tempo vai passando, e tudo vai mudando, e os ideais de vida se resumem a: bens materiais. E para ter qualquer coisa, faz de conta que se precise ganhar dinheiro, e disso depende um emprego e para isso é necessário formação. Novamente, faz de conta que se sabe sempre o que se quer e é muito fácil apenas traçar os planos e seguí-los à risca, pois não há encruzilhadas no caminho. Então, se consegue a formação e o emprego, e faz de conta que, com isso, se é um sujeito louvável e um excelente partido, e daí se arranja um relacionamento estável e maduro, com alguém que siga os mesmos preceitos. Faz de conta que tendo uma casa, um carro, comida, televisão de plasma, microsystem, facas Ginsu, e por ai afora, se é feliz.

Faz de conta, que o faz de conta começa a ficar meio sem graça, porque se conclui que não é assim tão óbvio, tão perfeito, tão diretamente simples, mas também nada é tão importante ou tão relevante a ponto de se deflagrar uma guerra por causa do maldito copo d'água, quando a última gota o fez transbordar. Faz de conta que a cada dia que passa, mais os outroras "ideais" esmaecem e os valores que cabiam perfeitos agora, já são bastante questionáveis. A companhia para toda a vida também duvida que aquele relacionamento seja mesmo o ideal. Faz de conta que, num belo dia, a vontade de continuar na cama é maior do que o desafio de enfrentar um dia novo, já que de novo ele terá nada, e de fato não haverá muitos desafios.

Então, o sujeito fica na cama e faz de conta que está doente. Faz de conta que, para não perder o emprego e consequentemente, o dinheiro - que é o pilar de todo o faz de conta - ele precise comprovar que de fato estava morrendo e para isso, ele precisa ir ao médico. Chegando lá, faz de conta que se é paciente e se aguarda, uma, duas horas, para ser atendido. Faz de conta que o médico atende o paciente e que após a história de faz de conta da doença, o doutor faz de conta que examina, faz de conta que interpreta e faz de conta que conclui que o faz de conta da doença era real. Daí, surge um atestado real, mas de faz de conta. No dia seguinte, isso é apresentado para a empresa, que faz de conta acreditar naquilo ali e o faz de conta prossegue.

E assim a vida vai passando, até que o faz de conta finalmente acaba, talvez com uma breve reflexão: "Será que se fosse de verdade, seríamos felizes para sempre?"






arquivo...

Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Dezembro 2009   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Fevereiro 2011   Março 2011   Maio 2011   Junho 2011   Setembro 2011   Dezembro 2011   Fevereiro 2012   Abril 2012   Outubro 2014  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?