~~~~~ Filosofias Salgadas (Morto) | Oceano Pensante (Renatito) ~~~~~


terça-feira, novembro 30, 2010
O verdadeiro OLPC

Em 2005, Nicholas Negroponte, respeitado estudioso do MIT (da sigla em inglês para "Instituto de Tecnologia de Massachusets") apresentou, em uma conferência da ONU, o projeto do notebook de cem dólares, que ficou conhecido como OLPC ("um laptop por criança", numa tradução livre). Esse projeto propôs uma revolução no que tange a acessibilidade da tecnologia em países subdesenvolvidos e uma estimulante nova era no sistema de educação: a absoluta inclusão no meio digital das crianças, mesmo daquelas em situação de pobreza extrema. O plano geral visava desenvolver mini-laptops com tecnologia barata o suficiente para torná-los acessíveis à população - ainda que dependendo de algum tipo de subsídio por parte dos governos onde o projeto seria aplicado - mas, ao mesmo tempo, com o mínimo "poder de fogo" necessário para tarefas como edição de texto, navegação a internet, desenvolvimento de planilhas de cálculo.

Apesar dos inúmeros estudos e de um protótipo promissor (em que o notebook possuia, inclusive, uma "manivela" para realimentar a bateria, considerando que, em muitos casos, não havia rede elétrica disponível) a disseminação e aplicação da idéia acabou sendo comprometida pois o custo final dos equipamentos, mesmo com aquela suposta ajuda do Estado, ficou um pouco acima do valor máximo estipulado, o que inviabilizaria a aquisição pelas pessoas em situação de miséria. Aqui no Brasil, a situação ficou ainda mais crítica e restritiva, se considerarmos a nossa absurda carga tributária...

Reavaliando esse estudo de Negroponte a partir do atual nível tecnológio e considerando ainda a possibilidade da fabricação em parceria com países onde a mão-de-obra é mais abundante e menos onerosa (e isso é uma realidade, em tempos de economia globalizada), é possível contemplar uma real perspectiva de implementação do projeto a partir de equipamentos que rodem suas funções em processadores ARM - os mesmos utilizados em telefones celulares, tablets, GPS, dentre outros -, os quais são soldados diretamente na placa-mãe da máquina, o que limita a possibilidade de futuros upgrades, mas reduz drasticamente o custo de manufatura. Além disso, a tecnologia desses processadores não está atrelada as grandes indústrias de tecnlogia, tais como AMD ou Intel, o que por si só já garante a maior competitividade dentre os diversos fabricantes e a conseqüente redução do preço final do chip.

Esse tipo de equipamento já existe, inclusive, no mercado para usuários finais - basta fazer uma breve busca no eBay e sites do gênero para encontrá-los -, apesar de serem vendidos, inicialmente, com sistemas operacionais proprietários (entretanto, é perfeitamente possível adaptá-los para sistemas de software livre, o que já está sendo feito de maneira espontânea e sem fins lucrativos por alguns de seus usuários).

Em comparação direta com o notebook desenvolvido por Negroponte, esses "netbooks" em processadores "ARM" são um pouco mais limitados, porém conseguem desenvolver aquelas tarefas básicas supracitadas sem grandes dificuldades. Como padrão de fábrica, tais equipamentos possuem placa de rede ethernet (para internet banda larga cabeada) e adaptadores sem-fio no padrão 802.11b/g (o padrão wireless mais comum no mundo atualmente). Se pensarmos que o intuito final é adequá-los a realidade daqueles países em situação de extremada miséria, seria interessante cogitar adicionarmos, talvez, um modem para conexão discada (como mais uma via para a possibilidade de acesso a web) e também preservar aquela idéia da manivela para carregar a bateria, o que apesar de soar meio anacrônico, é, de fato, uma boa solução para as localidades sem quaisquer fontes de energia. Tudo isso dito, resta ainda salientar que o custo final destas maquininhas mencionadas, nestes moldes atuais e para qualquer pessoa que se interesse, fica em torno de US$85,00. Imagine com a parceria do governo e com a fabricação em larga escala!




terça-feira, novembro 02, 2010
Dissertação sobre ética

Na década de 80, foi veiculado, em canais abertos de TV, uma propaganda de cigarros que usava, como ícone, um então jogador da seleção brasileira de futebol: o Gérson. Versava, essa propaganda, sobre que o certo é o sujeito sempre tirar vantagem, em qualquer situação em que estivesse. Passados os anos, isso ficou conhecido como “a lei de Gérson”.

Essa ideia, a de que é correto sempre “se dar bem”, tem muito a ver com o caráter do político brasileiro e vai de encontro a questões elementares de ética. Se a tendência é sempre tirar proveito da situação para benefício próprio, como pode o indivíduo representar alguma parcela da população, por exemplo? A grande questão é que, por mais que condenemos esse tipo de atitude, quando ela está sendo personificada através de alguma figura pública, temos uma forte tendência a fazer “vista grossa” quando os dilemas morais corriqueiros se apresentam em forma do troco do pão que foi dado a mais (e o embolsamos); do “gato” na luz, na TV a cabo, na água; na fila do banco que furamos na maior “cara lavada”.

Talvez a nossa indignação, frente às atitudes anti-éticas de toda a classe política, seja velada, porque sabemos que, no fundo, o político é antes um cidadão com os mesmos princípios que a maioria de nós. A grande diferença é que ele está mais exposto. E muito antes de pôr milhoês de dólares na cueca, ele afanava algumas inocentes balinhas na fila do caixa do supermercado.

Com certeza, a máquina pública facilita a vida do malandro. Mas o malandro só se torna um político corrupto porque, quando era só malandro, os preceitos éticos jamais lhe foram suficientes para moldar seu caráter.






arquivo...

Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Dezembro 2009   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Fevereiro 2011   Março 2011   Maio 2011   Junho 2011   Setembro 2011   Dezembro 2011   Fevereiro 2012   Abril 2012   Outubro 2014  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?