~~~~~ Filosofias Salgadas (Morto) | Oceano Pensante (Renatito) ~~~~~


terça-feira, dezembro 07, 2010
Observação sobre "Brasil: Uma História"

Semana passada, quando cheguei ao curso pré-vestibular que venho freqüentando, o Rafael, estudante encarregado da monitoria durante o turno da noite, estava lento o mais recente livro de Eduardo Bueno (vulgo Peninha), “Brasil: Uma História”. Isso não chega a ser algo realmente surpreendente, visto que o sujeito pretende fazer o curso de história. Em outras palavras, por mais que os livros do desse autor tenham um teor mais leve e caráter menos didático, ainda assim narram fatos supostamente históricos e, a qualquer pessoa que trilhe por esses caminhos acadêmicos, deverá configurar-se como uma leitura, pelo menos, interessante. Mas é exatamente aí que, aparentemente, estou ronaldamente enganado...

Dias depois de notar essa leitura do meu digníssimo colega, o professor, que é um contumaz defensor das cátedras acadêmicas mais tradicionais, durante uma aula de história do Brasil, atirou, novamente, pedras pontiagudas contra o pobre-diabo do Eduardo Bueno. Meu professor realmente não vai com a lata do sujeito, mas não é por isso que esse costuma atacar tanto a obra daquele: o argumento é que o que o Peninha escreve é anti-história e que, muitas vezes, a verdade é distorcida e pode ter um sentido tendencioso, devido a falta de acuidade com os fatos. E, sinceramente, eu até que concordaria com esses argumentos, não fosse a própria verdade algo discutível e, os fatos históricos, apenas um dos milhares de pontos de vista possíveis (normalmente, aquele do vencedor) sobre um determinado evento - mais ou menos como a velha observação de como o holocausto seria visto, hoje em dia, caso Hitler tivesse ganho a guerra... Além do mais, outra acusação contra esses livros, seria a inclusão de alguns trechos menos relevantes para o contexto geral e com cunho meramente cômico, como por exemplo, a suposta disenteria de Dom Pedro I que o teria levado a gritar a independência ali mesmo às margens do arroio Ipiranga.

Em outra oportunidade – refiro-me a um texto no qual divaguei sobre as esquetes idealizadas por Eduardo Bueno e Pedro Bial, que foram ao ar dentro do programa “Fantástico”, aos domingos, em horário nobre -, eu já havia defendido essa ideia de popularizar, de algum modo menos enfadonho, o ensino ou pelo menos a acessibilidade do conteúdo de história. Afinal, esse não é exatamente um tema que se conversa a respeito com os amigos num boteco. Muito antes, fala-se dos bundões das “mulheres frutas”, ou do centro-avante incompetente de tal time, ou do Fernando Haddad, atual ministro da educação (bem, talvez estes dois últimos exemplos também sejam bundões, afinal de contas; mas que fique bem claro que, no primeiro exemplo, o bundão não tem caráter pejorativo de maneira alguma!) A verdade é que com o tipo de literatura e propostas de programação idealizadas pelo Peninha, o aprendizado de história acontece de maneira coloquial e prosaica, mesmo que não haja lá muito aprofundamento. Isto, daí, cabe aos que realmente se interessarem pelo tópico e que, apaixonando-se pelo conceito, quiserem correr atrás de mais informação. Mas note-se que, sem essa disponibilidade e abordagem mais leves existentes nesses “best-sellers pseudo-históricos”, aquela faisquinha de curiosidade pela área, despertada na leitura descompromissada de tais exemplares, talvez jamais tivesse acontecido.

Um outro fator que é importante salientar é que o Eduardo Bueno não é historiador, ou professor de história, ou sequer um “estudante universitário” do tema. Ele é um jornalista e, com a veia investigativa peculiar a esta classe, faz suas pesquisas visando criar conteúdos e livros, não históricos, mas de entretenimento. O próprio autor sempre deixa isso bem claro em entrevistas, reportagens e afins. O que Peninha faz é pegar o cabedal de algum evento histórico conhecido, genericamente, por todos, e transformá-lo numa narrativa mais romanesca, mais digerível. Isso não pode ser considerado um crime. E, se o for, poderia ser cometido mesmo por um professor de história. Mas, neste caso, seria justo configurar uma punição exemplar! Por crime doloso, quem sabe?






arquivo...

Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Dezembro 2009   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Fevereiro 2011   Março 2011   Maio 2011   Junho 2011   Setembro 2011   Dezembro 2011   Fevereiro 2012   Abril 2012   Outubro 2014   Setembro 2017  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?