~~~~~ Filosofias Salgadas (Morto) | Oceano Pensante (Renatito) ~~~~~


sábado, abril 25, 2009
Devaneio de mais uma noite sem dormir

Entre meados de 2004 e final de 2005, trabalhei em um call-center aqui em Porto Alegre. Como muitos devem saber - tendo trabalhado em um ou não -, esse não é exatamente o emprego dos sonhos de ninguém. Estressante, maçante, sem perspectiva. Além disso, há que se lidar com as pessoas através de um telefone, sem o "tete-a-tete" - e normalmente, quando a situação já está pra lá de saturada; daí liga-se mais para descarregar a tensão do que necessariamente para resolver qualquer coisa. O salário, também, é uma porcaria. Enfim, por "n" motivos, é difícil se sentir bem em uma função que exige evasivas e subversões dos fatos a todo instante.

Mas, como diz o dito popular: ossos do ofício. Qualquer que seja a função que se exerça, sempre haverá um revés, um calo pra coçar, a pulga atrás da orelha... Entretanto, eventualmente recebia-se uma ou outra ligação que, por algum motivo, era a válvula de escape senão da semana, pelo menos do dia em questão. Ou porque a situação era engraçada, ou porque o esforço para tentar ajudar aquela "alma desamparada" terminava com um sincero "muito obrigado", ou porque a voz da interlocutora era algo sexy...

E eis aí uma questão: atendi, certa feita, duas cariocas que conversaram comigo ao mesmo tempo, uma no telefone principal e a outra na extensão. Nessa ocasião, a voz sexy era... A MINHA! Não que eu seja o Cid Moreira ou o Mun-Ra dos Thundercats (é, tem gosto pra tudo neste mundo). Mas as meninas realmente curtiram meu timbre e ficaram bem "animadinhas" durante a conversa. Essa, por exemplo, foi uma daquelas situações em que realmente se consegue esquecer um pouco o marasmo da central telefônica. O interessante desse exemplo é que não sou um cara "bonitão", mas realmente elas devem ter me imaginado como tal. E eu não tiro a razão, porque por vezes acontece o inverso: a voz da menina do outro lado é tão cativante que se enxerga uma morena mignonzinho numa lingiere vermelha, deitada numa cama com lençóis de cetim, enrolando o fio do telefone com o indicador enquanto conversa-se sobre um problema qualquer a ser contornado...

Meus devaneios à parte, num mundo como o explicitado no livro/filme do Saramago, "Ensaios Sobre A Cegueira", a estética talvez tivesse um outro fator muito mais relevante do que a atual beleza física: seria a beleza da voz a nova "ditadura da moda". Claro, o resto do corpo deveria preservar uma certa integridade em relação aos padrões atuais, visto que o que conhecemos como belo levaria um tempo para sair das nossas mentes ante a nova condição de deficiência visual em que estaríamos, e ainda teríamos - e como teríamos! - o tato para compensar, mas com certeza novos parâmetros seriam, inevitavelmente, estabelecidos.

Isso tudo é uma ideia fantástica, em todas as concepções da palavra, até porque provavelmente jamais acontecerá. Mas a possibilidade de pensar e questionar o quão frágeis e fúteis são nossos valores e ideais - e estou usando um exemplo extremamente abrangente, a beleza física -, é algo de valor inestimável.






arquivo...

Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Dezembro 2009   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Fevereiro 2011   Março 2011   Maio 2011   Junho 2011   Setembro 2011   Dezembro 2011   Fevereiro 2012   Abril 2012   Outubro 2014   Setembro 2017  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?