~~~~~ Filosofias Salgadas (Morto) | Oceano Pensante (Renatito) ~~~~~


sexta-feira, fevereiro 18, 2011
Síntese de um contador de histórias e a evolução da espécie

Havia fumaça e era avistada a alguns quilômetros de onde a reunião acontecia. A história que era contada, talvez não tenha resistido à magia do tempo, mas o que importa, na verdade, era o ato de contar histórias em si. Não fosse uma tribo, ou um bando, ou uma comunidade, nada mais do que palavras ao vento seriam proferidas. Ora, como existiam pessoas em volta escutando o que quer que tenha sido dito, as informações haviam passado de um espírito para outro. E tem sido assim desde então...

Fato é que a evolução deu-se, talvez não só por isso - como o documentário do Discovery Channel, sobre cerveja, sugere -, mas pela tendência que temos de contar histórias e de travar discussões. Não é simplesmente resmungar grunhidos com pouco sentido, mas fazer com que o mundo em nossa volta seja descrito através de palavras. Aliás, o falar, por si só, deve-se a evolução natural dos nossos ruídos monossilábicos em discursos mais prolixos. E a evolução tecnológica e social da espécie humana deve-se ao ato de se contar histórias.

Os nossos méritos atuais são frutos de conhecimentos adquiridos ao longo de décadas, séculos, forçando a barra, de quase um éon. E, antes de Guthenberg, a informação era passada de pai para filho e assim por diante. Não era como se tivéssemos lido em algum lugar, mas o preceito era o mesmo e a imprensa só veio para consolidar a mania de contar histórias.

Considerando o inevitável correr dos anos, o que mudou, entre o contador de histórias dos primórdios da humanidade e o que temos hoje, foi a mídia em que a informação transita de um indivíduo para o outro. E isso é bom salientar porque a informação independe de características específicas de um sujeito, por mais que ela possa ser absorvida - e distorcida - ao bel prazer do interlocutor. Desconsiderando esses revezes históricos, é pertinente dizer que o louvável é que se tenha ainda histórias a serem contadas.

E quando as não tivermos... Será o fim dos tempos.






arquivo...

Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Dezembro 2009   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Fevereiro 2011   Março 2011   Maio 2011   Junho 2011   Setembro 2011   Dezembro 2011   Fevereiro 2012   Abril 2012   Outubro 2014  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?