~~~~~ Filosofias Salgadas (Morto) | Oceano Pensante (Renatito) ~~~~~


quinta-feira, junho 25, 2009
Nota sobre a morte de Michael Jackson...

Levei um susto quando li a reportagem que informava sobre a morte do Michael Jackson. Não porque eu fosse um fã ou coisa parecida, mas porque a foto dele estava vinculada à matéria. Credo... Na boa, já vai tarde!

E antes que atirem pedras em mim, convenhamos: foi acusado de pedofilia, nunca tendo sido condenado - como Maluf nunca o foi por crimes contra a coisa pública, por exemplo -, talvez por ser... Michael Jackson! Ah... E isso por duas vezes (não que ele tenha molestado "somente" duas crianças.) Era, para todos os efeitos, um péssimo pai. Era racista - ou alguém acredita piamente na história do vitiligo? E por último: depois de ter automutilado sua cara tornou-se super-ultra-fucking-freaking-creep! Vade retro Satanas!

Sem dúvida, foi um grande artista. Homem(?) do showbusiness; grande dançarino, cantor e dublê do Gasparzinho (e poderia o ser da "Narizinho", talvez.) Agora, francamente: não fosse Michael Jackson, todo mundo estaria dando graças a Deus, um monstro a menos neste já louco mundo-louco.

Descance em paz, bichinha branca!




terça-feira, junho 09, 2009
Des idées...

Tenho lembranças, algumas, de quando, por volta dos seis ou sete anos, minha mãe abria um livro e contava histórias. Aquela coisa de filme americano: histórias de ninar. Lembro-me, mesmo que vagamente, de uma coleção chamada "Tesouros Disney". Bastante sugestivo o título da coleção, as histórias ali contidas tinham personagens da Disney em histórias curtas ou em alguns clássicos da literatura infantil, como em "A cigarra e a formiga", por exemplo. Além dessas, existiam também histórias de caráter educacional, normalmente com temas voltados para as ciências, esportes, história, etc...

Bem, embora essas lembranças sejam relativamente vagas, tenho a certeza da agradável sensação de ouvir uma história. Se hoje, ao ler um livro, consigo transformar aquelas transcrições gráficas em uma narrativa epopéica (acho que agora é sem acento... foda-se!) dentro da minha cabeça, muito disso deve-se àquelas "historinhas de ninar". Se pararmos pra pensar, no final das contas tudo se trata disso: histórias e a arte de contá-las.

Portanto, final de semana retrasado, mais precisamente no sábado por volta do meio dia, voltava eu de uma aula e, no trajeto de volta a casa, dentro do ônibus, tive uma ideia simples mas bem interessante. Nesse dia em questão, havia combinado com a minha irmã que iria almoçar com ela e meu pai, já que tinha algum tempo desde a última vez que os visitara. Fui maturando aquele vislumbre e pensei em compartilha-lo com a minha irmã assim que chegasse a sua casa para verificar a sua reação (e a validade prática daquela empreitada, já que a minha irmã não tem papas-na-língua e, sem dúvida, diria que aquilo seria uma bosta, se assim ela entendesse.)

A proposta é a seguinte: uma entrevista, com qualquer pessoa em um lugar público qualquer - em tempos: um bar, um parque, uma praça, ou mesmo no trabalho (o que já não seria, necessariamente, um local público). Mas não é simplesmente uma entrevista: trata-se de trocar qualquer coisa por uma história, seja ela verídica ou fictícia. A moeda de troca seria determinada pela pessoa a ser entrevistada ou determinada pelo entrevistador: por exemplo, uma cerveja, uma barra de cereais, uma caneta, um pingente... O que estivesse a mão e fosse considerado uma boa recompensa. A história, por sua vez, deveria ter começo, meio e fim, caracterizando uma narrativa. Enquanto a narrativa estivesse em andamento, ela seria gravada (com aqueles aparelhos genéricos de mp3, poderia ser), e depois convertida em texto. Essa parte, bem nos moldes de uma entrevista, mesmo... A pessoa que contou a história em questão, pode ou não autorizar a divulgação de nome e perfil - para incrementar a publicação do texto e dar um certo "background". Feito isso, se a pessoa achar interessante, pode entrevistar alguém e dar seguimento ao projeto de espargir histórias diversas, de indivíduos diversos. Na pior das hipóteses, é uma ótima maneira de conhecer novas pessoas.

A ideia é simples, realmente. Na verdade, penso em experimentá-la com um amigo meu, bom contador de histórias e possuidor de opinião forte e sincera, de modo que não há escrutínio mais abalizado que o dele sobre o projeto todo. Agora, resta saber se conseguirei pô-lo em prática.

O lugar para a divulgação das histórias seria um blog; não este, mas um ainda a ser criado e que só não o foi até agora, porque não achei nenhum título conveniente ao contexto - embora aquela música do Raul Seixas faça algum sentido...

Veremos o que vai acontecer - e se vai acontecer!






arquivo...

Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007   Abril 2007   Maio 2007   Junho 2007   Fevereiro 2009   Março 2009   Abril 2009   Maio 2009   Junho 2009   Julho 2009   Agosto 2009   Setembro 2009   Outubro 2009   Dezembro 2009   Abril 2010   Maio 2010   Junho 2010   Julho 2010   Novembro 2010   Dezembro 2010   Fevereiro 2011   Março 2011   Maio 2011   Junho 2011   Setembro 2011   Dezembro 2011   Fevereiro 2012   Abril 2012   Outubro 2014   Setembro 2017  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?